“Fair play é uma treta”?

Esta afirmação proferida já hà diversos anos pelo treinador futebol Jorge Jesus, está mais em voga que nunca.

Na altura foi quase crucificado por ter dito isto e ter defendido a posição de se houver um elemento da equipa adversária no chão não atirar a bola fora, para o jogo ser interrompido para assistir o referido jogador, dado que, e bem, essa é a função da equipa de arbitragem.

Eu era e continuo a ser apologista disto, e quem é meu antigo jogador sabe o que fazer, não sou hipócrita.

Fala-se de fair play, de passar os valores aos jogadores, principalmente na formação, etc…

Na maioria das vezes, as equipas que deitam a bola fora é porque estão muitas vezes a ganhar por vários, caso contrário seguem jogo…

Temos várias situações de exemplos disso, como no torneio inter-associações Sub-15, quando eu era treinador dos Sub-17 da ADCR Caxinas, assisti ao jogo AF Porto vs AF Coimbra, em que tivemos um momento do jogo com um atleta da AF Porto no chão e o treinador da AF Coimbra a berrar “segue, segue, vamos”.

Que exemplo há, quando estamos num torneio que não existem vencedores nem classificações?

Nas últimas semanas, na Liga Italiana, tanto o Inter como a Lazio ganharam os seus respectivos jogos com jogador adversáqrio no chão e não param, mesmo com tudo a “pedir” para parar…

Já ganhei jogos assim e já perdi jogos assim…

No Kuwait consideram fair play muito importante mas sofri um golo assim, com jogadores nossos a pararem e a pedir para o jogo ser parado…

Há umas semanas atrás fui ver um jogo de Sub-15 da competição da AF Porto, que definia quem ficava em 1º lugar na sua série (II divisão distrital): Retorta x EDCG. Perto do final e com o placard em 2-1 para a Retorta, um jogador fica lesionado no chão. O árbitro manda o miúdo levantar e o jogo prosegue, a EDCG recupera bola e ficam em situação de superioridade 2×1 e falham o golo… Depois miúdo é assistido e sai lesionado, quem é o principal culpado?

Atenção, estamos a falar do escalão de iniciados Sub-15!!!

Os exemplos tem de vir de cima e não vêm…

O jogo foi feito para ser jogado! A atribuição do cartão branco é uma boa iniciativa, mas lamento prefiro ganhar…

Se está nas regras que é função do árbitro, porque temos nós treinadores/atletas que parar o jogo?

Ja sei que vou ser criticado, mas não sou hipócrita!

Relativamente à situação do Taynan é totalmente diferente, invadiu o campo, merecia penalização dura! Mas, havia um jogador lesionado, a equipa do SL Benfica parou? Deveria ter parado?

Não, é uma final, siga, é para ganhar!

E Nuno Dias apenas provou do seu método, já que ele é defensor de não parar o jogo…

E talvez por isso mesmo que os atletas do SL Benfica estavam instruídos/contextualizados para seguir jogo…

Fica ao critério de cada um, mas digo isto muitas vezes: com 5×0 ou mais também já mandei deitar a bola fora, porque o objectivo “vitória” está assegurado… Agora com o resultado em disputa, segue jogo!

Existe muita hipocrisia em torno deste assunto mas, na minha ótica, o fundamental é os atletas desempenharem a sua função de “jogar”, bem como o treinador de “treinar”. O resto é da competência dos outros intervenientes.

Saudações desportivas,

André Martins

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *